segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Cada gravidez, um desafio

Quando engravidei da Manu, fazia apenas 5 meses que minha mae tinha falecido. Lembro nitidamente o quanto foi dificil para mim levar aquela gravidez adiante sem ter a minha mae por perto. Lembro que eu so comecei a me empolgar com a gravidez e a comprar coisas pra bebe quando ja estava de 6 meses, pq ate entao, nao conseguia conceber que eu ia fazer o enxoval do baby sem a ajuda da minha mae. Travei. Foi dificil. Muito dificil.

 E pra piorar, quando estava de 4 meses, marido sofreu um acidente, fraturou 2 vertebras da coluna, por pouco nao pegou a medula, ficou um mes internado, mais um mes de repouso absoluto, mais nem lembro qts meses de colete ortopedico, sem poder pegar peso. E td que eu pensava era, meu pai, o que sera de mim, ja nao tenho a minha mae e agora meu marido nao conseguira nem me acompanhar e nem segurar a filha no colo. Vou surtar. Foi tenso.

Confesso que nao foi uma gravidez que super curti os 9 meses. Nao, acho que curti mesmo a partir do 8 mes, quando marido ja tinha tido alta, comecou a me ajudar com os preparativos e o luto da minha mae ja nao estava tao latente assim.

Lembro ainda que depois que a Manu nasceu, eu sempre pensei que eu merecia engravidar de novo para vivenciar a gravidez de outra forma, num momento mais relax, mais de curticao, sem lutos, acidentes...ou seja, que eu pudesse desde o começo me conectar a ela. Pois bem. Engravidei.

Agora que completei 4 meses, e os enjoos estao finalmente dminuindo e poderei enfim curtir tudo que tenho direito como gravida, vem a noticia: marido, que passou em concurso recentemente, acaba de ser mandado para Brotas, nada menos do 260km de Sao Paulo.

 A bomba veio na sexa a noite. Sabiamos do risco, afinal, concurso estadual te mandam para qq buraco. Mas me afetou. E me afetou pq estou gravida, sensivel. Acho que se nao tivesse, nao teria ligado tanto, seguiria minha vida aqui em Sao Paulo numa boa com a Manu e marido viria nos ver aos finais de semana ou quando o plantao permitisse.

Precisei de dois dias para assimilar a mudanca, aceitar que mais uma vez, la vou eu fazer pre natal sozinha, la vou eu tocar a casa, trabalho e agora uma filha de 3 anos, sozinha. Nem existe a possibilidade de nos mudarmos para la, pq a estadia dele la sera temporaria (mas um temporario bem indefinido, que pode ser ate 1 ano) e ele mesmo ja esta mexendo todos os pauzinhos para voltar para a Capital, mas ate que isso se concretize, seguiremos assim, eu aqui e ele lá.

Eh nao adianta, pelo menos para mim, nao existe gestacao tranquila, cheia de flores, nao, para mim cada gravidez é um desafio. So espero, muito, que ele consiga voltar antes do nascimendo do baby, pq o que mais me aflige é eu entrar em trabalho de parto e ele nao estar aqui, ou pior nao conseguir chegar a tempo!!

4 comentários:

Micha Descontrolada disse...

Nossa, difícil mesmo. Mas passar em concurso é sempre bom, apesar da distância e tal. A gravidez será agitada de novo mas vai compensar mto depois.
Tomara q ele consiga logo voltar pra cidade e ficar juntinho de vcs!
Boa sorte.

Beijosssssssssssssssss
┌──»ʍi૮ђα ツ

Evy disse...

Poxa, Rê!
Que droga, hein?
Mas vai dar tudo certo!
E você não está de todo sozinha, tem a gente aqui que estará sempre te enviando energias positivas!

Fique bem!!!

Beijocas,
Evy

Cantinho da Fabi disse...

Re, na boa , pq nossas histórias são tão parecidas amiga ?? Ale se mudou ontem , de mala e cuia para BH e eu aqui com Manu nos auge dos seus 8 meses , exigindo um bocadinho de mim ... Força para nós amiga . Deus é mais em nossas vidas , ele nunca nos dá um fardo maior do que podemos carregar . Beijos

Cinthia Silva de Lima disse...

Flor.. Adorei o seu blog e já estou seguindo...

Quando puder me faça uma visitinha, vou adorar.

http://cinthiathiago.blogspot.com.br/

Beijoos